FALE CONOSCO

VISITANTES

Hoje37
Ontem163
Esta semana1223
Este mês4409
Total308586

Domingo, 25 Junho 2017 07:40

Visitantes : 38 visitantes online
Contador iniciado em 28/05/2013

TRADUTOR

Portuguese English Spanish

Estágio

 

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

 

DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

 

 

 

CAPÍTULO I

 

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

 

Art. 1º Esta Resolução estabelece as diretrizes e normas básicas para organização e funcionamento do componente Estágio Curricular Supervisionado de alunos matriculados no curso de graduação em Engenharia de Produção do campus sede da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

 

Art. 2º O Estágio compreende as seguintes modalidades:

 

I - Estágio Obrigatório: Aquele definido como tal no projeto pedagógico do curso de Engenharia de Produção, cujo cumprimento da carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma.

 

II - Estágio Não-Obrigatório: Aquele desenvolvido como atividade opcional.

 

Parágrafo único. Em ambos os casos, o Estágio e a carga horária realizada devem ser

 

registrados no histórico escolar do aluno.

 

Art. 3º. Para os efeitos desta resolução:

 

I - Estágio Curricular Supervisionado é ato educativo da Instituição de Ensino, como parte

 

do processo de ensino-aprendizagem dos alunos e deve integrar a programação curricular e didáticopedagógica, por meio de plano de atividades, de forma a efetivar a unidade teórico-prática de cada curso;

 

II - Estagiário é o aluno regularmente matriculado e frequentando curso de Engenharia de

 

Produção e apto ao desenvolvimento de atividades que integrem a programação curricular e didáticopedagógica do curso;

 

III - Unidade Concedente de Estágio é a pessoa jurídica de direito privado e órgão da

 

administração pública direta, autárquica e fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos

 

Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como profissionais liberais de nível superior

 

devidamente registrados em seus respectivos conselhos de fiscalização profissional;

 

IV - Divisão de Estágios (ETG), vinculada à Diretoria de Ensino de Graduação (DEG), é

 

responsável pela administração dos Estágios da UEM.

 

V - Coordenador de Estágio é o docente designado pelo departamento de lotação do

 

Estágio;

 

VI - Orientador de Estágio é o docente da Instituição de Ensino com formação condizente e

 

experiência na área do Estágio;

 

VII - Supervisor de Estágio é o profissional responsável pelo acompanhamento e supervisão

 

do estagiário, no campo de Estágio, vinculado à unidade concedente.

 

 

 

CAPÍTULO II

 

DA CARACTERIZAÇÃO

 

Art. 4o O componente Estágio Curricular Supervisionado, integrante do currículo do Curso de

 

Graduação em Engenharia de Produção do campus sede da Universidade Estadual de Maringá (UEM), desenvolver-se-á na forma de Estágio Curricular Supervisionado em organizações privadas, públicas e do terceiro setor que desenvolvam atividades na área de formação acadêmico-profissional, de acordo com as normas vigentes.

 

 

 

CAPÍTULO III

 

DOS OBJETIVOS

 

Art. 5o O Estágio Curricular Supervisionado que trata o Artigo 4º tem por objetivos básicos:

 

I – Propiciar ao estagiário:

 

a) Participação em situações reais de trabalho em organizações privadas, públicas e do

 

terceiro setor que desenvolva atividades na área de formação acadêmico-profissional;

 

b) Aprimoramento dos conhecimentos adquiridos no curso de Engenharia de Produção;

 

c) Aquisição de experiência específica em processos, métodos e técnicas de produção, bem

 

como complementação da atividade social, profissional e cultural;

 

II – propiciar ao Curso de Graduação em Engenharia de Produção:

 

a) Atualização sobre novas tecnologias, por meio da vivência do estagiário no seu campo de

 

estágio, visando o aprimoramento do conteúdo didático.

 

 

 

CAPÍTULO IV

 

DA ORGANIZAÇÃO

 

Art. 6º Os Estágios devem ser formalizados por meio de Termo de Compromisso celebrado

 

entre o Estagiário, a Unidade Concedente do Estágio e a Instituição de Ensino.

 

Parágrafo único. É facultada a celebração de convênio ou termo de cooperação entre a

 

Unidade Concedente e a Instituição de Ensino.

 

Art. 7º A organização dos Estágios envolve a DEG / ETG e a unidade concedente.

 

§ 1º Compete à DEG / ETG:

 

I - Administrar, organizar e integrar os Estágios da UEM;

 

II - Promover eventos de integração entre Unidades Concedentes de Estágio e a UEM.

 

III - Solicitar, quando for o caso, a renovação dos convênios estabelecidos com as Unidades

 

Concedentes;

 

IV - Comunicar à parte Concedente de Estágio, no início do período letivo, as datas de

 

realização de avaliações escolares ou acadêmicas;

 

V - celebrar Termo de Compromisso com a unidade concedente.

 

§ 2º À Unidade Concedente de Estágio cabe:

 

I - Ofertar instalações que tenham condições de proporcionar ao educando atividades de

 

aprendizagem social, profissional e cultural;

 

II - Elaborar e executar com a Instituição de Ensino o plano de atividades do Estágio;

 

III - Indicar funcionário de seu quadro de pessoal, com formação ou experiência profissional

 

na área de conhecimento desenvolvida no curso do estagiário, para orientar e supervisionar até 10 estagiários simultaneamente;

 

IV - Contratar em favor do estagiário seguro contra acidentes pessoais, cuja apólice seja

 

compatível com valores de mercado, conforme fique estabelecido em Termo de Compromisso;

 

V - Por ocasião do desligamento do estagiário, entregar termo de realização do Estágio com

 

indicação resumida das atividades desenvolvidas, dos períodos e da avaliação de desempenho;

 

VI - Manter à disposição da fiscalização documentos que comprovem a realização de Estágio;

 

VII - Acompanhar a elaboração de relatórios das atividades desenvolvidas pelo estagiário,

 

vistando obrigatoriamente os mesmos;

 

VIII - Fazer cumprir as normas de Estágio da UEM.

 

§ 3º No caso de Estágio Obrigatório, a responsabilidade pela contratação do seguro de que

 

trata o Inciso IV do caput deste artigo pode, alternativamente, ser assumida pela Instituição de

 

Ensino.

 

Art. 8o A Coordenação do Componente Estágio Curricular Supervisionado de cada ênfase

 

(Agroindústria, Confecção Industrial, Construção Civil e Software) será exercida por docente(s)

 

designado(s) pelo departamento responsável pelo referido componente curricular.

 

Parágrafo único. Para o exercício das atividades de coordenação do Componente Estágio

 

Curricular Supervisionado será atribuída ao(s) coordenador(es) a carga horária semanal de 2

 

horas/aulas de encargo de ensino.

 

Art. 9º. O componente Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório deverá desenvolver-se

 

por um período mínimo de 100 dias, ao longo do 2º semestre da quinta série, pelo aluno regularmente matriculado nesta série, correspondendo a uma carga horária mínima de 170 horas, admitindo-se no máximo 40 horas semanais.

 

Art. 10o. Será permitido ao aluno propor Estágio Não-Obrigatório a partir do primeiro

 

semestre letivo da terceira série do curso de graduação em Engenharia de Produção do campus sede.

 

§ 1º Somente pode realizar Estágio Não-Obrigatório aluno regularmente matriculado e

 

frequentando efetivamente um curso de graduação.

 

§ 2º A jornada de atividade em Estágio Não-Obrigatório é definida de comum acordo entre a

 

Instituição de Ensino, a Unidade Concedente e o aluno estagiário devendo constar no Termo de Compromisso, ser compatível com as atividades escolares e não ultrapassar seis horas diárias e trinta horas semanais; adimitindo oito horas diárias e quarenta horas semanais no periodo não letivo.

 

§ 3º A realização do estágio Não-Obrigatório no curso de graduação em Engenharia de Produção fica condicionada a disponibilidade de um professor orientador habilitado para tal e integrante do quadro do Departamento de Engenharia de Produção (DEP).

 

Art. 11. Os alunos interessados no estágio supervisionado deverão:

 

I - Solicitar o estágio junto à Unidade Concedente;

 

II - Apresentar no mínimo 30 dias antes do início do recesso acadêmico as seguintes

 

documentações:

 

a)Termo de compromisso;

 

b) Plano de estágio.

 

III - Encaminhar para a Unidade Concedente o termo de compromisso e o plano de estágio

 

para a formalização por meio de assinaturas e carimbos.

 

Art. 12. Em nenhuma hipótese pode ser cobrada do aluno qualquer taxa adicional referente

 

às providências administrativas para a obtenção e realização do estágio.

 

Art. 13. O estagiário pode receber bolsa, ou outra forma de contraprestação que venha a ser

 

acordada, sendo compulsória sua concessão, bem como a do auxílio-transporte, na hipótese de Estágio Não-Obrigatório.

 

Art. 14. O Estágio, proporcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

 

deve ser realizado em contexto semelhante àquele que atende aos demais alunos, levando-se em conta os seguintes requisitos:

 

I - Compatibilização das habilidades da pessoa com necessidades educativas especiais às

 

exigências da função;

 

II - Adaptação de equipamentos, ferramentas, máquinas e locais de Estágio às condições das

 

pessoas com necessidades educativas especiais, fornecendo recursos que visem a garantir a

 

acessibilidade física e tecnológica e a prestação de assistência que se fizer necessária durante o período de Estágio.

 

 

 

CAPÍTULO V

 

DA AVALIAÇÃO

 

Art. 15. O Estágio Supervisonado Não-Obrigatório deve ter acompanhamento efetivo pelo

 

professor orientador e pelo supervisor da Unidade Concedente por meio de relatórios das atividades desenvolvidas, conforme padrão da Divisão de Estágio da UEM, encaminhados pelo estagiário à Instituição, em prazo não superior a seis meses, de acordo com o estabelecido no plano de Estágio com vista obrigatória da Unidade Concedente.

 

Art. 16. A verificação de aprendizagem do Estágio Supervisionado Obrigatório obedecerá ao

 

contido nos critérios de avaliação de aprendizagem, aprovado pelo DEP e pelo Conselho Acadêmico de Curso de Engenharia de Produção, campus sede.

 

Art. 17. Devido às especificidades didático-pedagógicas do Componente Estágio Curricular

 

Supervisionado, é vedada ao aluno a realização de exame final, nova oportunidade de avaliação, revisão de avaliação e matrícula em regime de dependência.

 

 

 

CAPÍTULO VI

 

DAS ATRIBUIÇÕES

 

Art. 18. O Estágio envolve o Conselho Acadêmico, o(s) Coordenador(es) de Estágio, o

 

Orientador e o Supervisor.

 

Parágrafo único. Compete ao Conselho Acadêmico estabelecer diretrizes e definir o

 

regulamento para os Estágios Curriculares Obrigatório e Não-Obrigatório.

 

Art. 19. O desenvolvimento de estágio envolve atribuições da coordenação de estágio, do

 

orientador e do supervisor.

 

§ 1º Ao coordenador de estágio cabem as seguintes atribuições:

 

I - Manter e procurar ampliar o cadastro das unidades concedentes de estágio;

 

II - Credenciar junto ao departamento pertinente os professores orientadores e informá-los

 

sobre os procedimentos pedagógicos e regulamentares que devem ser adotados para a orientação

 

do estágio;

 

III - Elaborar o calendário de estágio adequando-o ao Calendário Acadêmico da UEM;

 

IV - Encaminhar a Diretoria de Assuntos Acadêmicos (DAA) os editais de notas e faltas de

 

acordo com as informações recebidas do professor orientador.

 

V - Informar ao professor orientador sobre os procedimentos pedagógicos e regulamentares

 

que devem ser adotados para a orientação do estagiário;

 

VI - Informar e orientar os estagiários sobre os procedimentos pedagógicos e regulamentares

 

que devem ser adotados para o Estágio;

 

VII - Informar os estagiários quanto aos procedimentos da ETG para a elaboração da

 

documentação referente ao Estágio;

 

VIII - Manter fluxo de informações relativas ao acompanhamento e desenvolvimento dos

 

Estágios em andamento, bem como assegurar a socialização de informações junto às coordenações de curso e aos campos de Estágio;

 

IX - Zelar pelo cumprimento da legislação aplicável ao Estágio;

 

X - Garantir um processo de avaliação continuada da atividade de Estágio, envolvendo

 

estagiários, orientadores, professores do curso, supervisores e/ou representantes dos campos de Estágio;

 

XI - Verificar se o perfil do supervisor de Estágio é compatível com o definido no regulamento

 

de Estágio do curso.

 

§ 2º Ao orientador de estágio cabem as seguintes atribuições:

 

I - Proceder a visita ao local de Estágio, quando necessário, sem prévio aviso;

 

II - Elaborar o plano de atividades e de acompanhamento do estágio em conjunto com o

 

estagiário e a unidade concedente;

 

III - Orientar o estagiário no desenvolvimento das atividades de estágio;

 

IV - Manter informada a coordenação de estágio sobre o desenvolvimento das atividades do

 

estagiário;

 

V - Avaliar o desempenho do estagiário e o relatório final;

 

VI – Verificar e encaminhar a coordenação de estágio a documentação pertinente.

 

§ 3º Ao supervisor de estágio cabem as seguintes atribuições:

 

I - Receber o estagiário e informá-lo sobre as normas do ambiente de estágio;

 

II - Acompanhar e avaliar o desempenho das atividades desenvolvidas pelo estagiário de

 

acordo com o plano de atividades;

 

III - Encaminhar a avaliação do estagiário ao orientador do estágio;

 

IV - Comunicar qualquer ocorrência de anormalidade no estágio ao orientador para as

 

providências cabíveis.

 

 

 

CAPÍTULO VII

 

DO ESTAGIÁRIO

 

Art. 20. O estagiário será encaminhado para a unidade concedente do estágio após acordo

 

prévio desta com a Universidade.

 

Art. 21. São deveres do estagiário, além de outros previstos pelos regulamentos da

 

Universidade e pela legislação em vigor:

 

I - Providenciar o termo de compromisso e o plano de estágio com as devidas assinaturas e

 

carimbos.

 

II - Comparecer às reuniões convocadas pelo orientador e/ou pela coordenação de estágio;

 

III - Conhecer e participar da elaboração do plano de estágio;

 

IV - Executar as tarefas designadas na unidade em que estagiar, respeitando sempre a

 

hierarquia estabelecida, obedecendo as recomendações e normas internas;

 

V - Zelar pela manutenção das instalações e equipamentos utilizados durante o

 

desenvolvimento do estágio;

 

VI - Comunicar e justificar, no devido tempo, ao supervisor e ao orientador de estágio sua

 

eventual ausência e/ou problemas surgidos nas atividades de estágio;

 

VII - Manter padrão de comportamento e de relações humanas, condizentes com as

 

atividades a serem desenvolvidas;

 

VIII - Manter efetivo contato e sempre que necessário prestar contas das suas atividades ao

 

orientador e/ou coordenação de estágio;

 

IX - Encaminhar ao professor orientador declaração de conclusão de estágio Não-Obrigatório

 

emitido pela unidade concedente, constando o número de horas e o período de estágio.

 

 

 

CAPÍTULO VIII

 

DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS

 

Art. 22. Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Acadêmico do Curso de

 

Engenharia de Produção do campus sede, ouvido o(s) coordenador(es) de estágio.

 

 

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

 

DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

 

 

 

CAPÍTULO I

 

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

 

Art. 1º Esta Resolução estabelece as diretrizes e normas básicas para organização e funcionamento do componente Estágio Curricular Supervisionado de alunos matriculados no curso de graduação em Engenharia de Produção do campus sede da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

 

Art. 2º O Estágio compreende as seguintes modalidades:

 

I - Estágio Obrigatório: Aquele definido como tal no projeto pedagógico do curso de Engenharia de Produção, cujo cumprimento da carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma.

 

II - Estágio Não-Obrigatório: Aquele desenvolvido como atividade opcional.

 

Parágrafo único. Em ambos os casos, o Estágio e a carga horária realizada devem ser

 

registrados no histórico escolar do aluno.

 

Art. 3º. Para os efeitos desta resolução:

 

I - Estágio Curricular Supervisionado é ato educativo da Instituição de Ensino, como parte

 

do processo de ensino-aprendizagem dos alunos e deve integrar a programação curricular e didáticopedagógica, por meio de plano de atividades, de forma a efetivar a unidade teórico-prática de cada curso;

 

II - Estagiário é o aluno regularmente matriculado e frequentando curso de Engenharia de

 

Produção e apto ao desenvolvimento de atividades que integrem a programação curricular e didáticopedagógica do curso;

 

III - Unidade Concedente de Estágio é a pessoa jurídica de direito privado e órgão da

 

administração pública direta, autárquica e fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos

 

Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como profissionais liberais de nível superior

 

devidamente registrados em seus respectivos conselhos de fiscalização profissional;

 

IV - Divisão de Estágios (ETG), vinculada à Diretoria de Ensino de Graduação (DEG), é

 

responsável pela administração dos Estágios da UEM.

 

V - Coordenador de Estágio é o docente designado pelo departamento de lotação do

 

Estágio;

 

VI - Orientador de Estágio é o docente da Instituição de Ensino com formação condizente e

 

experiência na área do Estágio;

 

VII - Supervisor de Estágio é o profissional responsável pelo acompanhamento e supervisão

 

do estagiário, no campo de Estágio, vinculado à unidade concedente.

 

 

 

CAPÍTULO II

 

DA CARACTERIZAÇÃO

 

Art. 4o O componente Estágio Curricular Supervisionado, integrante do currículo do Curso de

 

Graduação em Engenharia de Produção do campus sede da Universidade Estadual de Maringá (UEM), desenvolver-se-á na forma de Estágio Curricular Supervisionado em organizações privadas, públicas e do terceiro setor que desenvolvam atividades na área de formação acadêmico-profissional, de acordo com as normas vigentes.

 

 

 

CAPÍTULO III

 

DOS OBJETIVOS

 

Art. 5o O Estágio Curricular Supervisionado que trata o Artigo 4º tem por objetivos básicos:

 

I – Propiciar ao estagiário:

 

a) Participação em situações reais de trabalho em organizações privadas, públicas e do

 

terceiro setor que desenvolva atividades na área de formação acadêmico-profissional;

 

b) Aprimoramento dos conhecimentos adquiridos no curso de Engenharia de Produção;

 

c) Aquisição de experiência específica em processos, métodos e técnicas de produção, bem

 

como complementação da atividade social, profissional e cultural;

 

II – propiciar ao Curso de Graduação em Engenharia de Produção:

 

a) Atualização sobre novas tecnologias, por meio da vivência do estagiário no seu campo de

 

estágio, visando o aprimoramento do conteúdo didático.

 

 

 

CAPÍTULO IV

 

DA ORGANIZAÇÃO

 

Art. 6º Os Estágios devem ser formalizados por meio de Termo de Compromisso celebrado

 

entre o Estagiário, a Unidade Concedente do Estágio e a Instituição de Ensino.

 

Parágrafo único. É facultada a celebração de convênio ou termo de cooperação entre a

 

Unidade Concedente e a Instituição de Ensino.

 

Art. 7º A organização dos Estágios envolve a DEG / ETG e a unidade concedente.

 

§ 1º Compete à DEG / ETG:

 

I - Administrar, organizar e integrar os Estágios da UEM;

 

II - Promover eventos de integração entre Unidades Concedentes de Estágio e a UEM.

 

III - Solicitar, quando for o caso, a renovação dos convênios estabelecidos com as Unidades

 

Concedentes;

 

IV - Comunicar à parte Concedente de Estágio, no início do período letivo, as datas de

 

realização de avaliações escolares ou acadêmicas;

 

V - celebrar Termo de Compromisso com a unidade concedente.

 

§ 2º À Unidade Concedente de Estágio cabe:

 

I - Ofertar instalações que tenham condições de proporcionar ao educando atividades de

 

aprendizagem social, profissional e cultural;

 

II - Elaborar e executar com a Instituição de Ensino o plano de atividades do Estágio;

 

III - Indicar funcionário de seu quadro de pessoal, com formação ou experiência profissional

 

na área de conhecimento desenvolvida no curso do estagiário, para orientar e supervisionar até 10 estagiários simultaneamente;

 

IV - Contratar em favor do estagiário seguro contra acidentes pessoais, cuja apólice seja

 

compatível com valores de mercado, conforme fique estabelecido em Termo de Compromisso;

 

V - Por ocasião do desligamento do estagiário, entregar termo de realização do Estágio com

 

indicação resumida das atividades desenvolvidas, dos períodos e da avaliação de desempenho;

 

VI - Manter à disposição da fiscalização documentos que comprovem a realização de Estágio;

 

VII - Acompanhar a elaboração de relatórios das atividades desenvolvidas pelo estagiário,

 

vistando obrigatoriamente os mesmos;

 

VIII - Fazer cumprir as normas de Estágio da UEM.

 

§ 3º No caso de Estágio Obrigatório, a responsabilidade pela contratação do seguro de que

 

trata o Inciso IV do caput deste artigo pode, alternativamente, ser assumida pela Instituição de

 

Ensino.

 

Art. 8o A Coordenação do Componente Estágio Curricular Supervisionado de cada ênfase

 

(Agroindústria, Confecção Industrial, Construção Civil e Software) será exercida por docente(s)

 

designado(s) pelo departamento responsável pelo referido componente curricular.

 

Parágrafo único. Para o exercício das atividades de coordenação do Componente Estágio

 

Curricular Supervisionado será atribuída ao(s) coordenador(es) a carga horária semanal de 2

 

horas/aulas de encargo de ensino.

 

Art. 9º. O componente Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório deverá desenvolver-se

 

por um período mínimo de 100 dias, ao longo do 2º semestre da quinta série, pelo aluno regularmente matriculado nesta série, correspondendo a uma carga horária mínima de 170 horas, admitindo-se no máximo 40 horas semanais.

 

Art. 10o. Será permitido ao aluno propor Estágio Não-Obrigatório a partir do primeiro

 

semestre letivo da terceira série do curso de graduação em Engenharia de Produção do campus sede.

 

§ 1º Somente pode realizar Estágio Não-Obrigatório aluno regularmente matriculado e

 

frequentando efetivamente um curso de graduação.

 

§ 2º A jornada de atividade em Estágio Não-Obrigatório é definida de comum acordo entre a

 

Instituição de Ensino, a Unidade Concedente e o aluno estagiário devendo constar no Termo de Compromisso, ser compatível com as atividades escolares e não ultrapassar seis horas diárias e trinta horas semanais; adimitindo oito horas diárias e quarenta horas semanais no periodo não letivo.

 

§ 3º A realização do estágio Não-Obrigatório no curso de graduação em Engenharia de Produção fica condicionada a disponibilidade de um professor orientador habilitado para tal e integrante do quadro do Departamento de Engenharia de Produção (DEP).

 

Art. 11. Os alunos interessados no estágio supervisionado deverão:

 

I - Solicitar o estágio junto à Unidade Concedente;

 

II - Apresentar no mínimo 30 dias antes do início do recesso acadêmico as seguintes

 

documentações:

 

a)Termo de compromisso;

 

b) Plano de estágio.

 

III - Encaminhar para a Unidade Concedente o termo de compromisso e o plano de estágio

 

para a formalização por meio de assinaturas e carimbos.

 

Art. 12. Em nenhuma hipótese pode ser cobrada do aluno qualquer taxa adicional referente

 

às providências administrativas para a obtenção e realização do estágio.

 

Art. 13. O estagiário pode receber bolsa, ou outra forma de contraprestação que venha a ser

 

acordada, sendo compulsória sua concessão, bem como a do auxílio-transporte, na hipótese de Estágio Não-Obrigatório.

 

Art. 14. O Estágio, proporcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

 

deve ser realizado em contexto semelhante àquele que atende aos demais alunos, levando-se em conta os seguintes requisitos:

 

I - Compatibilização das habilidades da pessoa com necessidades educativas especiais às

 

exigências da função;

 

II - Adaptação de equipamentos, ferramentas, máquinas e locais de Estágio às condições das

 

pessoas com necessidades educativas especiais, fornecendo recursos que visem a garantir a

 

acessibilidade física e tecnológica e a prestação de assistência que se fizer necessária durante o período de Estágio.

 

 

 

CAPÍTULO V

 

DA AVALIAÇÃO

 

Art. 15. O Estágio Supervisonado Não-Obrigatório deve ter acompanhamento efetivo pelo

 

professor orientador e pelo supervisor da Unidade Concedente por meio de relatórios das atividades desenvolvidas, conforme padrão da Divisão de Estágio da UEM, encaminhados pelo estagiário à Instituição, em prazo não superior a seis meses, de acordo com o estabelecido no plano de Estágio com vista obrigatória da Unidade Concedente.

 

Art. 16. A verificação de aprendizagem do Estágio Supervisionado Obrigatório obedecerá ao

 

contido nos critérios de avaliação de aprendizagem, aprovado pelo DEP e pelo Conselho Acadêmico de Curso de Engenharia de Produção, campus sede.

 

Art. 17. Devido às especificidades didático-pedagógicas do Componente Estágio Curricular

 

Supervisionado, é vedada ao aluno a realização de exame final, nova oportunidade de avaliação, revisão de avaliação e matrícula em regime de dependência.

 

 

 

CAPÍTULO VI

 

DAS ATRIBUIÇÕES

 

Art. 18. O Estágio envolve o Conselho Acadêmico, o(s) Coordenador(es) de Estágio, o

 

Orientador e o Supervisor.

 

Parágrafo único. Compete ao Conselho Acadêmico estabelecer diretrizes e definir o

 

regulamento para os Estágios Curriculares Obrigatório e Não-Obrigatório.

 

Art. 19. O desenvolvimento de estágio envolve atribuições da coordenação de estágio, do

 

orientador e do supervisor.

 

§ 1º Ao coordenador de estágio cabem as seguintes atribuições:

 

I - Manter e procurar ampliar o cadastro das unidades concedentes de estágio;

 

II - Credenciar junto ao departamento pertinente os professores orientadores e informá-los

 

sobre os procedimentos pedagógicos e regulamentares que devem ser adotados para a orientação

 

do estágio;

 

III - Elaborar o calendário de estágio adequando-o ao Calendário Acadêmico da UEM;

 

IV - Encaminhar a Diretoria de Assuntos Acadêmicos (DAA) os editais de notas e faltas de

 

acordo com as informações recebidas do professor orientador.

 

V - Informar ao professor orientador sobre os procedimentos pedagógicos e regulamentares

 

que devem ser adotados para a orientação do estagiário;

 

VI - Informar e orientar os estagiários sobre os procedimentos pedagógicos e regulamentares

 

que devem ser adotados para o Estágio;

 

VII - Informar os estagiários quanto aos procedimentos da ETG para a elaboração da

 

documentação referente ao Estágio;

 

VIII - Manter fluxo de informações relativas ao acompanhamento e desenvolvimento dos

 

Estágios em andamento, bem como assegurar a socialização de informações junto às coordenações de curso e aos campos de Estágio;

 

IX - Zelar pelo cumprimento da legislação aplicável ao Estágio;

 

X - Garantir um processo de avaliação continuada da atividade de Estágio, envolvendo

 

estagiários, orientadores, professores do curso, supervisores e/ou representantes dos campos de Estágio;

 

XI - Verificar se o perfil do supervisor de Estágio é compatível com o definido no regulamento

 

de Estágio do curso.

 

§ 2º Ao orientador de estágio cabem as seguintes atribuições:

 

I - Proceder a visita ao local de Estágio, quando necessário, sem prévio aviso;

 

II - Elaborar o plano de atividades e de acompanhamento do estágio em conjunto com o

 

estagiário e a unidade concedente;

 

III - Orientar o estagiário no desenvolvimento das atividades de estágio;

 

IV - Manter informada a coordenação de estágio sobre o desenvolvimento das atividades do

 

estagiário;

 

V - Avaliar o desempenho do estagiário e o relatório final;

 

VI – Verificar e encaminhar a coordenação de estágio a documentação pertinente.

 

§ 3º Ao supervisor de estágio cabem as seguintes atribuições:

 

I - Receber o estagiário e informá-lo sobre as normas do ambiente de estágio;

 

II - Acompanhar e avaliar o desempenho das atividades desenvolvidas pelo estagiário de

 

acordo com o plano de atividades;

 

III - Encaminhar a avaliação do estagiário ao orientador do estágio;

 

IV - Comunicar qualquer ocorrência de anormalidade no estágio ao orientador para as

 

providências cabíveis.

 

 

 

CAPÍTULO VII

 

DO ESTAGIÁRIO

 

Art. 20. O estagiário será encaminhado para a unidade concedente do estágio após acordo

 

prévio desta com a Universidade.

 

Art. 21. São deveres do estagiário, além de outros previstos pelos regulamentos da

 

Universidade e pela legislação em vigor:

 

I - Providenciar o termo de compromisso e o plano de estágio com as devidas assinaturas e

 

carimbos.

 

II - Comparecer às reuniões convocadas pelo orientador e/ou pela coordenação de estágio;

 

III - Conhecer e participar da elaboração do plano de estágio;

 

IV - Executar as tarefas designadas na unidade em que estagiar, respeitando sempre a

 

hierarquia estabelecida, obedecendo as recomendações e normas internas;

 

V - Zelar pela manutenção das instalações e equipamentos utilizados durante o

 

desenvolvimento do estágio;

 

VI - Comunicar e justificar, no devido tempo, ao supervisor e ao orientador de estágio sua

 

eventual ausência e/ou problemas surgidos nas atividades de estágio;

 

VII - Manter padrão de comportamento e de relações humanas, condizentes com as

 

atividades a serem desenvolvidas;

 

VIII - Manter efetivo contato e sempre que necessário prestar contas das suas atividades ao

 

orientador e/ou coordenação de estágio;

 

IX - Encaminhar ao professor orientador declaração de conclusão de estágio Não-Obrigatório

 

emitido pela unidade concedente, constando o número de horas e o período de estágio.

 

 

 

CAPÍTULO VIII

 

DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS

 

Art. 22. Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Acadêmico do Curso de

 

Engenharia de Produção do campus sede, ouvido o(s) coordenador(es) de estágio.